Site de A a Z ///
Siga-nos:
 

▶ Divulgação ///

<< Voltar ///

12/10/2018 às 05h00 > atualizado em 14/11/2018 às 11h53

Projeto Jardins de Mel implanta colmeias de abelhas sem ferrão em parques de Curitiba

Por Ana Luzia Mikos, com colaboração de Luiz Alberto Pena

As abelhas respondem pela polinização de 70% das culturas agrícolas e por 1/3 de todos os alimentos que chegam às nossas mesas. Sem elas, além da diminuição da produtividade dessas culturas, também a qualidade da formação dos frutos fica comprometida. Em Curitiba existe um projeto com o objetivo de reverter esses riscos. O Jardins de Mel foi idealizado por Felipe Thiago de Jesus, convidado desta segunda-feira (15) do programa Rádio Assembleia.

A iniciativa dissemina conhecimentos sobre as abelhas nativas sem ferrão, inteiramente inofensivas ao ser humano e responsáveis pela polinização de cerca de 90% das plantas brasileiras. Felipe é agroecólogo – que é como se chama o especialista em agroecologia – e consultor da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

As caixas especiais de criação de abelhas, tecnicamente denominadas de “caixas racionais de criação” (concebidas para facilitar o manuseio dos enxames), são distribuídas em áreas verdes da cidade, como o Parque Bariguí, o Jardim Botânico, o zoológico e o Museu de História Natural Capão da Imbuia.

Cinco espécies são utilizadas: guaraipo (Melipona bicolor), manduri (Melípona marginata), mandaçaia (Melipona quadrifasciata), jataí (Tetragonisca angustula) e mirim (Plebeia sp).

Todo esse esforço é uma forma de sensibilizar as pessoas sobre a importância e os benefícios da conservação dos ecossistemas e o equilíbrio do planeta, muito dependentes dos “serviços” prestados pelas abelhas nativas – hoje com muitas de suas espécies ameaçadas de extinção.

Projeto de lei – Aqui na Assembleia Legislativa foi aprovado, em 2017, um projeto de lei que trata da criação, do manejo, do comércio e do transporte de abelhas sociais nativas do Paraná – atividade conhecida como “meliponicultura”. A proposta foi sancionada e convertida na Lei estadual nº 19.152/2017.

Além de criar um marco regulatório para a atividade, o objetivo da proposta é incentivar que os apicultores paranaenses possam adotar a meliponicultura e justamente combater o risco de extinção de várias espécies de abelhas nativas.

A lei prevê, por exemplo, que o Instituto Ambiental do Paraná (IAP) promova ações para ordenar as atividades meliponícolas e faça um cadastro estadual para traçar um perfil da situação da atividade no Paraná. Os pequenos meliponicultores (com até 100 colmeias) e agricultores familiares, pela proposta, estarão isentos das taxas do IAP para a regularização.

Variedades – Além da entrevista sobre um tema diferente por dia, o programa Rádio Assembleia traz os destaques do Legislativo, informações de utilidade pública e o que é notícia no estado.

O programa, desenvolvido pela equipe da Diretoria de Comunicação da Assembleia Legislativa do Paraná, é um conteúdo multiplataforma, pensado para o rádio e também disponibilizado para a televisão e para as redes sociais. O “Rádio Assembleia” pode ser acompanhado pelo site da Assembleia Legislativa, na área destinada ao conteúdo de rádio (http://www.alep.pr.gov.br/divulgacao/radio_assembleia), ou ainda pela TV Assembleia.

Ele vai ao ar na TV após as sessões plenárias que iniciam às 14h30, nas segundas, terças e quartas. Nas quintas, logo após a exibição gravada da sessão do Tribunal de Contas (que inicia às 14 horas). Nas sextas-feiras a transmissão ocorre a partir das 15h30. As reprises acontecem às 22h30, de segunda a sexta-feira.

Ouça as entrevistas desta notícia:
Clique aqui para fazer o download do boletim

Notícias mais lidas

Destaques