Site de A a Z ///
Siga-nos:
 

▶ Divulgação ///

<< Voltar ///

11/08/2017 às 16h59

Mais de 150 estudantes visitaram a Assembleia Legislativa nesta semana

Por Jaime S. Martins.

O segundo semestre na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) começou movimentado com a visita de estudantes de diversas idades, diferentes cursos e instituições. O objetivo das visitas guiadas é permitir que os alunos conheçam um pouco mais sobre a história e a atuação do Legislativo paranaense, bem como sobre os direitos e o exercício da cidadania, de forma que os jovens se aproximem mais da instituição e da própria vida política.

Na semana que passou, estudantes de Jornalismo, do Ensino Médio e também do Ensino Fundamental passaram pela Casa, em cinco visitas que, somadas, reuniram mais de 150 alunos.  Os acadêmicos de Jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa tiveram a oportunidade de conversar com o presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSDB), quando puderam fazer uma espécie de “entrevista coletiva” com o parlamentar e tirar dúvidas sobre o funcionamento do Poder Legislativo. Também visitaram a Diretoria de Comunicação e a TV Assembleia, ampliando o roteiro tradicional das visitações guiadas.

Os futuros profissionais puderam acompanhar a rotina diária dos profissionais de comunicação da Assembleia e saíram satisfeitos com o que viram, como relatou o professor da UEPG, Felipe de Oliveira. “O objetivo foi conhecer o funcionamento da assessoria de imprensa de um grande órgão público, como a Assembleia”, resumiu o professor, que também destacou o pioneirismo do Legislativo paranaense em transmitir as sessões plenárias pelo Facebook, assim como em produzir conteúdos específicos para as redes digitais.

Somente no primeiro semestre deste ano a Assembleia Legislativa do Paraná recebeu a visita de 1.325 alunos de 45 instituições de ensino. Para este segundo semestre já são mais de 30 visitas agendadas para os meses de agosto e setembro. Desde 2015, quando a atual Mesa Executiva tomou posse, quase oito mil estudantes visitaram o Legislativo.

Maria da Penha – Os onze anos da Lei nº 11.340/2016, conhecida como Lei Maria da Penha, foram lembrados na sessão de segunda-feira (7). A fundadora e voluntária da ONG Todas Marias, Goretti Bussolo, contou um pouco da sua história de lutas e do trabalho desenvolvido na orientação e proteção das mulheres. Quando tinha 12 anos de idade, Goretti foi abusada e agredida enquanto trabalhava como doméstica numa residência em Curitiba. Hoje ela encampa o movimento de apoio e luta contra a violência doméstica contra as mulheres, por meio da entidade.

Escola do Legislativo – A Escola do Legislativo realizou mais um grande evento que reuniu especialistas para debater a reforma política. Na quinta-feira (10) foi realizado o II Seminário da Escola do Legislativo, que teve como tema “Poder Legislativo e Democracia Contemporânea”.  No período da manhã, os professores e cientistas políticas Emerson Cervi, da UFPR, e Bruno Reis, da UFMG, procuraram contextualizar historicamente as chamadas minirreformas da legislação que normatiza o processo eleitoral.

Já no período da tarde foi lançada a Revista do Legislativo Paranaense, que reúne artigos científicos que foram apresentados por ocasião do I Seminário da Escola, realizado em 2016. Na sequência, nove trabalhos acadêmicos sobre o Poder Legislativo e suas atividades foram apresentados por seus autores. Esses trabalhos devem compor a segunda edição da Revista do Legislativo, a ser lançada futuramente.

Brigada de Incêndio – O treinamento para a formação da Brigada de Incêndio da Assembleia Legislativa foi encerrado na sexta-feira (11) de forma prática, com exercícios simulados de combate a incêndios. Os futuros brigadistas puderam sentir na pele a missão que terão pela frente, a fim de garantir a segurança de servidores e visitantes, em caso de algum incidente.

O trabalho para a segurança de todos teve início em 2015, quando um grupo de servidores participou de um treinamento de primeiros socorros com os funcionários do SIATE; e também depois de uma ampla reforma realizada nos prédios da Alep, com a instalação de sinalizadores das saídas de emergência, disponibilização de extintores, instalação de detectores de fumaça, de rede de hidrantes com mangueiras, além de guarda-corpo e corrimãos nas escadas e rampas.