Site de A a Z ///
Siga-nos:
 

▶ Divulgação ///

<< Voltar ///

07/05/2018 às 18h48 > atualizado em 08/05/2018 às 10h42

Assembleia promove sessão solene para comemorar os seis anos de criação da ADAPAR

Por Trajano Budola e Luiz Alberto Pena.

A Assembleia Legislativa do Paraná promoveu ao final da tarde desta segunda-feira (7) uma sessão solene especial para comemorar os seis anos de criação da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná – ADAPAR, autarquia encarregada de promover a defesa agropecuária e a inspeção sanitária dos produtos de origem animal, a prevenção, o controle e a erradicação de doenças dos animais e de pragas dos vegetais de interesse econômico ou de importância à saúde da população, além de assegurar a segurança, a regularidade e a qualidade dos insumos de uso na agricultura e na pecuária. A solenidade e as homenagens à empresa vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento atenderam a proposição do deputado Pedro Lupion (DEM), líder do Governo no Legislativo, aprovada por unanimidade pelos deputados estaduais.

Lupion destaca o papel importante desempenhado pela ADAPAR: “É uma agência que revolucionou a defesa vegetal e animal do Paraná e serve de modelo para outros estados. O Paraná foi pioneiro nesta elaboração. Uma agência que tem a reponsabilidade de deixar nosso estado em condições principalmente para o mercado internacional. Tem recebido investimentos contundentes nas barreiras sanitárias, nas questões agrícolas e pecuárias. E o Paraná, como celeiro nacional de alimentos, precisa de uma agência forte. É isso que a ADAPAR tem significado”, resumiu.

De acordo com o diretor-presidente da autarquia, Inácio Afonso Kroetz, a Assembleia Legislativa é parceira da agência em projetos estratégicos para o desenvolvimento do estado. “A Casa do Povo reconhece os serviços prestados nestes seis anos pela ADAPAR. Era uma expectativa da sociedade dinamizar a defesa agropecuária do Paraná e assegurar a sanidade dos rebanhos e das culturas vegetais com interesse econômico. Hoje existe muito mais segurança para a saúde animal, sanidade animal e a saúde pública”, garantiu.

Prestigiamento – Diversas e destacadas autoridades prestigiaram a solenidade no Plenário do Legislativo, como o secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, George Hiraiwa, representando a governadora Cida Borghetti na oportunidade; o deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural no Legislativo; o diretor-presidente da ADAPAR, Inácio Afonso Kroetz; o superintendente federal de Agricultura do Paraná, Cleverson Freitas; o superintendente da Polícia Federal do Paraná, Adriano Marcos Furtado; o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina, Airton Spies; o presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná, Ágide Meneguette; o presidente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), José Roberto Ricken; o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Abelardo Lupion; e os deputados Tiago Amaral (PSB) e Elio Rusch (DEM).

Várias lideranças foram também homenageadas com Menção Honrosa pela ADAPAR, durante a cerimônia, como o ex-governador Beto Richa, pela sensibilidade política e visão estratégica na criação da Agência; o ex-secretário da Agricultura e do Abastecimento Norberto Ortigara, igualmente pela dedicação e desprendimento para sua criação e efetivação; o ex-ministro Reinhold Stephanes, que enquanto Ministro da Agricultura e deputado federal contribuiu para e estruturação da autarquia; e o próprio deputado proponente do evento, em reconhecimento pela dedicação e empenho que Pedro Lupion teve como relator do parecer que afinal aprovou a criação da Agência de Defesa no Legislativo, ainda em 2011.

Criação e importância – Criada por meio da Lei estadual nº 17.026, em 20 de dezembro de 2011, mas iniciando efetivamente as suas atividades com a posse de sua Diretoria em 7 de maio de 2012, a ADAPAR é uma entidade autárquica dotada de personalidade jurídica de direito público, com patrimônio e receitas próprios e autonomia administrativa, técnica e financeira.

Sua atuação beneficia diretamente os produtores, contribuindo para o emprego de insumos de qualidade na produção, evitando e controlando a ocorrência de problemas de sanidade nos rebanhos, assim como na produção agrícola, com diminuição nos custos de produção. Com isso a indústria pode também adquirir e processar matéria-prima de melhor qualidade, principalmente no aspecto da sanidade; enquanto os comerciantes ganham com a revenda de melhores produtos, principalmente alimentos. Os consumidores, por seu turno, e na outra ponta da cadeia, recebem alimentos mais saudáveis, com maior qualidade e menor preço.

Para tanto, são apontadas como decisivas as ações da autarquia voltadas para a difusão de informações educativas sobre sanidade animal e vegetal; o registro e controle de documentos como os de certificação de sanidade; a fiscalização da inspeção em frigoríficos e indústrias de derivados de carne e de laticínios; a fiscalização da adoção de medidas de prevenção e controle da sanidade animal e vegetal nas propriedades rurais; a fiscalização do trânsito de animais, produtos de origem animal e vegetal e de insumos para utilização na agropecuária; ou a fiscalização granjas, de incubatórios avícolas, institutos de sementagem, chocadeiras e de galpões onde se faz o manejo do bicho-da-seda (sirgarias); entre outras.




Carregando galeria do Flickr...

  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep
  • Foto: Sandro Nascimento/Alep